Gatinha minúscula teve que comer terra para sobreviver, tem uma recuperação incrível

Quando em uma noite, Annalise Burke e sua mãe viram um gatinho vadio vagueando no exterior de sua casa, acharam um pouco estranho. A família mora em uma área rural de Idaho e geralmente não vê gatos vagueando pela propriedade. Na manhã seguinte, elas saíram para procurar a gatinha e a levar à sociedade humanitária local – mas em vez disso, encontraram dois pequenos gatinhos recém-nascidos.

Infelizmente, um dos gatinhos não sobreviveu, e o outro estava claramente muito doente. Enquanto elas queriam esperar para ver se a mãe voltaria para buscar o gatinho, também sabiam que a gatinha precisava desesperadamente de ajuda, então a acolheram enquanto esperavam a mãe reaparecer. Quando elas finalmente a viram novamente, pegaram nas duas e as levaram até à sociedade humana local.

Burke e sua mãe voltaram para casa depois de deixar os dois gatos – e, de repente, ouviram miados fracos vindo de debaixo de seu barracão. Chocadas, começaram a cavar e descobriram um terceiro gatinho, coberto de sujeira e terra, lutando por sua vida.

“Ela esteve sozinha naquele sítio por pelo menos oito horas”, disse Burke. “Nós cavamos para a tirar de lá. Seu rosto e boca estavam cobertos de terra e tinha terra dentro de sua garganta. Ela estava tossindo muito e ofegante.”

Burke e sua mãe levaram rapidamente gatinha doente, a quem mais tarde chamaram Gemma, para dentro de casa e começaram a limpá-la e a tentar alimentá-la. Elas perceberam que a pobre gatinha tinha estado a comer pedras e terra para tentar sobreviver, o que a deixou ainda mais doente do que já estava. No momento em que a encontraram e a levaram para dentro, a sociedade humana e os veterinários locais já estavam fechados, então ficaram acordadas a noite toda com Gemma, fazendo tudo que podiam para tentar salvar sua vida.

No dia seguinte, Burke e sua mãe levaram Gemma ao veterinário, que lhes disse que suas chances de sobrevivência era muito baixas. O veterinário não esperava que ela conseguisse se salvar, o que deixou a família com o coração partido. Elas tinham acabado de descobrir que o gatinho que haviam trazido na noite anterior, não tinha sobrevivido e Gemma poderia acabar encontrando o mesmo destino.

“Nós choramos e fizemos nossas despedidas”, disse Burke. “O veterinário perguntou se queríamos adormecer a pequenina, ou esperar para ver se ela tinha alguma chance de viver. Minha mãe me deixou decidir, porque eu teria que colocar minha vida em espera para cuidar dela. E eu disse que queria tentar.

Burke deixou seu emprego de verão, para dedicar todo o seu tempo a ajudar Gemma a ficar bem. A gatinha precisava de cuidado 24 horas por dia, já que ela era tão pequena e doente, mas Burke se recusou a desistir dela.

“Eu não sabia se ela iria sobreviver ou não, e ela ainda nos assustou várias vezes depois disso, ao parar de respirar … mas milagrosamente conseguiu recuperar”, disse Burke.

Apesar de todas as probabilidades, no momento em que ela fez um mês de idade, Gemma estava finalmente muito mais saudável e começando a agir como um gatinho normal. Ela tem agora 6 semanas e começou a comer comida de gato molhada sozinha. Ela ainda não entendeu o conceito de beber água e, em vez disso, afunda o rosto na tigela de água e lambe a água do rosto. Sua atividade favorita é abraçar Burke – a pessoa que salvou sua vida, mesmo quando todos tinham desistido dela.

“Gemma realmente tinha uma vontade extrema de viver, depois de tudo”, disse Burke. “Valeu a pena colocar minha vida em espera por ela. Ela é verdadeiramente um anjo.