Cães ainda são vendidos na China antes do Festival de Yulin, apesar da proibição

Um vídeo foi gravado e viralizou na internet causando revolta em muito internautas – ele mostra açougueiros em um mercado chinês úmido que ainda continuam vendendo cães, antes do famoso festival de Yulin. Apesar do país classificar os cães como animais de estimação, isso ainda é uma prática em diferentes partes da cidade.

Embora o festival anual de carne de cachorro na cidade de Yulin seja muito criticado, está programado para começar nos próximos dias. Em protesto, a Humane Society International filmou este vídeo comovente este mês de um mercado especializado em carne de cachorro nos arredores de Yulin.

O HSI pediu ao governo que parasse o festival, pois além do vídeo horrível, eles resgataram 10 filhotes em outro mercado fora da cidade, segundo relatos.

No mês passado, Pequim proibiu a carne de cachorro para consumo humano, depois de removê-la da lista oficial de animais.

Mas, apesar de várias cidades terem adotado essas medidas, o governo nacional ainda não emitiu uma ordem geral para proibir essa prática. O Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China, que decidiu isso, disse que os costumes tradicionais para cães deveriam ser mudados.

Ele salientaram que no país os cães já são vistos e classificados por muitos como animais de companhia, resgate e serviço.

As cenas chocantes foram tiradas por uma testemunha ocular enviada pelo HSI, a fim de demonstrar as terríveis condições desse tipo de comércio. Segundo o HSI, a maioria das lojas que vendem carne de cachorro e estavam em várias partes de Yulin, mudou-se para uma área centralizada.

Essa área, chamada Mancha Market, caracteriza-se por oferecer principalmente carne de cachorro pronta para consumo, em vez de vendê-la ao vivo.

As autoridades chinesas esperam que, com a ajuda da Humane Society International, possam monitorar, controlar e acabar com o comércio de carne de cachorro.

Anteriormente, esse tipo de crueldade acontecia no mercado de Dongkou, mas os ativistas disseram que esse lugar estava vazio em comparação com outros anos.

Quando os ativistas resgataram os 10 filhotes, ficaram surpresos com o quão amigáveis ​​eram, apesar de estarem enjaulados e prontos para serem sacrificados.

“Eu não podia acreditar que esses filhotes amigáveis ​​e inocentes seriam mortos e servidos como comida se não estivéssemos lá, e não posso acreditar que alguém quisesse comer esses adoráveis ​​e queridos pequeninos.”

“Essa foi minha primeira viagem a Yulin e o que vi no mercado realmente me surpreendeu. Minhas mãos tremiam quando tirei o primeiro filhote da gaiola, ele lambeu minhas mãos e, sem ele saber, poderia facilmente ter sido comido”.

“As pessoas geralmente assumem que essas cenas horríveis são normais para a maioria dos chineses, mas não é verdade, fiquei tão chateado ao ver os filhotes sob o sol quente do verão, mas fiquei feliz em salvá-los do clube dos açougueiros. Como o governo chinês disse, esses filhotes são companheiros, não gado “.

Jennifer pediu às autoridades de Yulin que sigam a mensagem do governo e terminem esse comércio vergonhoso. O HSI se juntou à convocação e instou o governo de Yulin a tomar medidas mais drásticas contra o comércio de carne de cachorro.

“Um grande impulso está sendo construído na China para lidar com as lojas de carne de gato e cachorro, e embora eu não ache que ninguém espere que o comércio de carne de cachorro Yulin termine da noite para o dia, o que eles testemunharam, podem indicar que as coisas estão mudando mesmo em Yulin. Espero que Yulin mude não apenas pelo bem dos animais, mas também pela saúde e segurança de seu povo “.

Segundo Peter Li, com os novos casos do Covid-19, que estão ligados ao mercado de Pequim, permitir que tantas pessoas se reúnam no festival é um risco significativo para a saúde pública.

De acordo com a lei de gado da China, apenas os animais listados podem ser criados e comercializados, deixando gatos e cães fora da lista. Isso significa que a lei pode impedir que cerca de 10 milhões de cães sejam mortos para consumo todos os anos no país.

Um porta-voz do ministério acrescentou que os cães há muito são domesticados no país, pois mantêm um relacionamento próximo com os seres humanos.

“Com o passar do tempo, o entendimento humano da civilização e dos hábitos alimentares mudou constantemente. Alguns costumes tradicionais de cães também mudam. ”

Precisamente, a idéia de “costumes tradicionais” tem sido usada para explicar a existência do festival anual de carne de cachorro de Yulin. O porta-voz enfatizou que era um consenso internacional não classificar os cães como animais, e disse que mais políticas para cães serão implementadas no futuro.

Essas medidas andam de mãos dadas, com a proibição temporária que o país emitiu no início de fevereiro de todo comércio e consumo de animais selvagens.

Uma prática considerada pelos especialistas como responsável pela crise global de saúde.