Cachorrinho que havia sido sedado e abandonado, não conseguia dormir com medo após ser adotado

Algumas pessoas crescem ou acabam ficando com algum trauma por causa de situações que passaram durante suas vidas. Mas, não é só os humanos que podem sentir isso e ter que conviver com isso – os animais também. Diferente dos humanos, os animais não tem como nos contar o que realmente pensam ou sentem, por isso, alguns donos observam seus comportamentos para tentar entender melhor o que de fato estão sentindo.

Uma família amorosa decidiu adotar um cão da raça Golden Retriever que estava em uma abrigo para adoção, depois de ter sido abandonado lá por seu antigo dono. O animal era muito carinhoso, mas todas as noites tinha um comportamento intrigante – ele não dormia.

O cachorro ficava a noite toda acordada olhando seus familiares dormir, e no começou a família acreditou que isso fosse parte da adaptação. Com os dias passando e o animal apresentando o mesmo comportamento, eles decidiram levá-lo ao veterinário, que também não conseguiu achar um motivo para explicar, afinal, ele estava muito bem de saúde.

Foi então que ele sugeriu chamar um especialista para saber se isso já havia acontecido com outro animal e descobrir a causa. Depois de analisar toda a vida do cão, descobriram a razão, que chocou a todos.

Seu ex dono havia levado-o para o abrigo em uma noite, mais para isso, o sedou. Quando o animal acordou, já não existia sua família. Isso o traumatizou – para o animal, dormir a noite poderia significar que sua família nova o abandonaria, por isso ele se recusava a dormir.

É claro que para a família aquela notícia foi como uma bomba, eles choraram muito, e sentiram muita pena do animal que tanto amavam. Então decidiram colocar sua cama em seu quarto, para dar mais confiança e para que ele se sentisse mais seguro.

As pessoas que abandonam animais não fazem ideia do quanto podem traumatizá-los. Felizmente esse animal ganhou uma nova família que o entendeu, mais nem sempre isso acontece, o que é muito triste.


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado!